segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Pepe Mujica e Movimento Cinque Stelle na mesma sintonia

 As propostas do  Movimento Cinque Stelle, na Itália, e o exemplo que o presidente do Uruguai, Pepe Mujica, dá ao mundo ao manter o mesmo estilo de vida simples que tinha antes de ser chefe de estado, são semelhantes nos fundamentos para construir uma sociedade mais justa e libertária. A prova está no fato de que ambos, independente da distância geográfica e das diferenças culturais (M5S representa a opinião de mais de 10% da população de eleitores da Itália), falam a mesma língua  quando apostam num mundo em que a humanidade não precisa acumular bens ou agredir a natureza para desfrutar de uma vida com qualidade e bem-estar.  

 O Movimento Cinque Stelle avança na Itália e seus representantes defendem os cinco pontos: água, energia, transporte, ambiente e desenvolvimento. A transparência nas ações, sem dúvida, é o seu maior desafio na medida em que cresce e se destaca. O seu padrinho e inspirador, o humorista Beppe Grillo, não quer ser reconhecido como o líder do movimento, embora seja um líder nato que ajustou sua criatividade e bom humor à mente racional e lógica do empresário e político Gianroberto Casaleggio.
A dupla usou a internet como centro irradiador das ideias manifestadas por um povo saturado pela corrupção política e espremido na crise europeia que lhes tira o sono e a qualidade de vida. Com isso ganhou força e espaço político: o Parlamento Italiano. Hoje o M5S tem 24% do Senado e 26% na Câmara dos deputados  e se posiciona em assuntos polêmicos como, gastos públicos e a questão da fraude fiscal do ex primeiro ministro Silvio Berlusconi (estilo de vida oposto ao de Mujica) http://www.youtube.com/watch?v=YSNx9uly-aM.

 Nas últimas eleições os candidatos conseguiram reduzir os gastos de 18 mil euros para 2,5 mil euros e com isto provam que é possível cancelar os financiamentos públicos aos partidos e a imprensa. Uma reivindicação polêmica, embora na opinião de muitos cidadãos italianos justa. Itália está na Europa (primeiro mundo) e o Uruguai está na América do Sul (terceiro mundo), países de diferentes economia e sistema políticos, porém idênticos na mobilização de ideias para promover mudanças no comportamento do homem moderno.

Mujica refuta o título de ser o presidente "mais pobre do mundo" atribuído pela mídia internacional e rebate dizendo que "pobre é quem precisa de muito para viver". Na opinião dele,  a vida austera tem como objetivo "manter-se livre". Mujica tem 77 anos e vive na mesma propriedade que habita há anos "Rincon del Cerro", vizinha de Montevidéu, cercado de plantações e criações de animais que ele mesmo administra, de sua esposa a senadora Lucia Topolansky, do seu cão fiel, a vira-lata Manuela, dirige um "fusca" antigo, e  doa 90% do seu salário às instituições de caridade.


Em um dos trechos de seu discurso na Assembleia Geral da ONU, em setembro deste ano, ele foi profético e único:"Paralelamente, devemos entender que os indigentes do mundo não são da África ou da América Latina, mas da humanidade toda, e esta deve, como tal, globalizada, empenhar-se em seu desenvolvimento, para que possam viver com decência de maneira autônoma. Os recursos necessários existem, estão neste depredador esbanjamento de nossa civilização".

Nenhum comentário:

Postar um comentário