domingo, 22 de maio de 2011

Instantâneos que foram captados no Congresso Internacional de Jornalismo Cultural

"Estamos vivendo a cultura do descartável. Uma idéia de arrastão do presente como se o viver de passado fosse a cultura do infantilismo. É importante destacar que a exigência do novo nasce do legado cultural".

* Alcir Pécora - crítico literário, escritor e professor da Unicamp.


***************************************************************************************
A internet está mudando a forma de como se faz jornalismo cultural hoje. O leitor tem acesso às informações na mesma velocidade que os jornalistas nas redações têm. A internet veio para confundir o nosso papel e, por outro lado, veio nos oferecer possibilidades novas.

* Sylvia Colombo - jornalista da Folha de São Paulo, editora do Folhateen e correspondente em Londres.

Nota do blog: Sylvia teve uma explanação brilhante, embora menos brilhante foi a sua posição em relação a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão de jornalista. Desculpa esdrúxula a sua alegando que o profissional de comunicação necessita de uma formação aprimorada antes de precisar ter um diploma específico de sua área. Of course, que um jornalista precisa de uma formação aprimorada, porém.... voltar no tempo e derrubar todas nossas conquistas, me dá licença!
Compactuando com seus chefes, hemmm!

***********************************************************************************

Apesar da riqueza de espaço promovido pela internet existe um certo empobrecimento do campo crítico  e argumentativo.
Nossas atividades estão na berlinda e não há mais reserva de mercado. Passamos da onipotência das grandes mídias para o papel de internautas de redes. O jornalismo perdeu o monopólio, embora ainda seja importante fazer a mediação entre o fato e o leitor. Falta apenas um filtro para este universo diferenciado.Um jornal americano fez referência à função integradora da internet e  à avalanche de informações. O perigo e o alerta é que isso pode gerar a "Infobesidade". Isto é, o mesmo efeito que os hamburgers e refrigerantes fazem para o corpo. Isso é mais curioso do que uma tese.

*Paulo Werneck - jornalista e tradutor. Editor do Caderno Ilustríssima da Folha de São Paulo.

Um comentário:

  1. Mari, que bom que você garimpou algumas mensagens importantes desse Congresso tão louvável. Sylvia me pareceu deslocada, talvez não tivesse se preparado para a palestra. Mas no todo muitas ideas foram discutidas e analisadas.
    Parabéns pelo blog! Adorei o contéudo e a forma! Vou estar aqui permanentemente.
    Bjs!

    ResponderExcluir