domingo, 10 de outubro de 2010

Os urubus voaram longe da Bienal de São Paulo


A instalação Bandeira Branca, do artista plástico Nuno Ramos, na 29a.Bienal de São Paulo está incompleta desde quinta-feira(07). Os urubus que faziam parte da composição da obra foram retirados por ordem do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama). A licença, para manutenção dos animais no local, concedida anteriormente foi suspensa e a retirada foi exigida depois dos protestos feitos por um grupo de ambientalistas.
Certo ou errado os animais estarem confinados numa exposição de arte não é o "X" da questão para mim, neste momento.Sou contra animais presos em gaiola, porém concordo que aqueles criados em cativeiro devem receber um outro tipo de tratamento, considerando que não conseguem mais viverem livres, infelizmente.
Agora me pergunto, porque existe neste país dois pesos e duas medidas sempre. Que tal nos remetermos ao Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, e perguntar porque lá é permitido que as aves permaneçam em gaiolas para o público contemplar.
Sim, claro, a leitura é outra.
Na verdade, Bandeira Branca já cumpriu o seu papel político dentro da Bienal e mostrou a aridez de uma sociedade hipócrita que vive a reboque da mídia. Se não tivesse ocorrido manifestações públicas, com certeza as aves estariam ali, no mesmo local, como aconteceu em Brasília, quando Nuno Ramos expôs a mesma obra em proporções menores. Ninguém achou ruim e notem que foi em Brasília, onde estão nossos representantes legais. Portanto, para um bom entendedor meias palavras bastam.....
Leiam mais sobre o assunto Bienal e Bandeira Branca no meu site: www.pan-horamarte.jor.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário