quarta-feira, 14 de outubro de 2009

ATRAVESSAR FRONTEIRAS PARA SE NUTRIR




Creio que a vontade de mudar e experimentar a vida em outro lugar está formatada dentro do meu código genético. Tento imaginar o que os meus antepassados sentiram quando sairam de sua terra natal, uma Alemanha em neve, outros de uma cidade fronteiriça da Austria (hoje Republica Tcheca), chegar num Brasil tropical, para viver um mundo totalmente diferente daquele que deixaram para trás. Mas eles ousaram, tentaram, e nós existimos como prova da coragem destes imigrantes. A experiência que estou vivendo não chega nem perto da proposta deles, a de ir um busca de uma melhor condição de vida, carregando no coração a emoção do "para sempre".
A minha é tranquila e rica em curiosidades, informações "senza paura" principalmente porque não estou sozinha neste projeto. Minha prima Ana Cristina, do lado materno, também topou a idéia e está aqui dividindo o dia-a-dia numa cidade italiana.

Mudar por um período para estudar em Roma me trouxe novas energias e está me nutrindo neste percurso de maturidade.

As duas semanas em terra italiana parecem uma eternidade de experiências que, acredito equivalem a anos de terapia.

A insegurança de estar fora do ninho, o medo de não achar um canto para morar num país estrangeiro foram problemas já solucionados, pois encontramos o acolhedor apartamento de Nicoletta Ferrari, uma artista plástica italiana, mãe, sensitiva e mulher. O afeto que está nascendo entre nós, três mulheres, com histórias fortes de vida, aquece nosso coração. Para mim, especialmente, os dias passam rápidos e me dão a sensação de que pertenço um pouco a este lugar.

Um comentário:

  1. Oi Mari, que bom vê-la feliz
    Aprenda muito e divida conosco rs rs rs
    Feliz Itália para voce
    beijos

    ResponderExcluir